segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Aula de sexo por uma feminista revoltada


Os seres são feitos de energia, a vida é feita de energia, tudo é energia... Quando se trata do homem (e quando eu digo “homem” estou me referindo somente ao sexo masculino), ele é composto puramente de energia sexual... Isso até os 30 anos ou 40, mais ou menos.

Chega um dia (e esse dia sempre chega), quando o coitado não se excita mais com qualquer coisa, quando não goza mais tantas vezes numa única noite, e quando a sua resistência não é mais a mesma. É o início da decadência sexual masculina, ou o anúncio da morte se aproximando (como alguns homens definiriam essa fase). É a primeira crise masculina. A primeira de outras que virão ao longo da vida. E que não seriam comentadas, discutidas ou sequer compreendidas... Simplesmente porque no século passado isso não era permitido ou aceito no limidado mundinho masculino. Eles deixavam esse tipo de atitude, de questionamentos e análises para as mulheres, e não poupavam ironias e comentários desagradáveis para aquelas que se aventuravam a trazer, para o relacionamento, questões profundas do seu ser... tsc, tsc... Uns pobres coitados!

Bem, estamos no século XXI, o que significa (esperamos realmente que signifique) que essas morais já estão ultrapassadas. Já se sabe que os homens estão perdidos, carentes e indefesos diante da nova figura feminina, que surgiu e que vem se fortalecendo nos últimos anos. Claro que devemos relevar a febre de bundas e peitos que invadem nossa televisão, jornais, revistas e grupos musicais todos os dias. Isso sem falar nos exemplares do sexo feminino “frutas” que surgem em programas altamente destrutivos e maléficos para a nossa sociedade. Programas que incentivam a ignorância, a alienação e o machismo deseducando as nossas crianças... Bem, isso é uma outra questão, me perdoem.

Por estarem tão carentes e indefesos, os nossos homens, talvez seja bastante doloroso discutirmos seus medos e pontos fracos neste momento... Eles não tem escolha, sinto dizer, e fico extremamente penalizada por todos vocês, de verdade. Dada a situação atual, ou o homem vai fazer análise, começar uma auto-analise, vai se entender ( com o principal objetivo de entender o sexo feminino), ou vai descobrir a sua homossexualidade depois dos 30... Nada contra a homossexualidade, mas, se esse não é o seu caso, aconselho que preste atenção e tente aprender alguma coisa porque a coisa tá feia pra vcs!

Enfim, agora que já entenderam porquê estão aqui e porquê a porta está trancada, podemos ir direto ao ponto. E por que não começarmos pelo ponto principal? Ele mesmo: o anus, vulgarmente chamado de cú.

O anus é um mito para o homem, isso quando se trata do seu, porque comer o cú da mulher é uma beleza! Perdão pela exaltação... Quero avisar aos senhores aqui presentes, que no seculo XXI não há mais espaço para complexos anais, e que, se a mulher dá, ele também tem que dar! A nova linguagem sexual entre os sexos diz que: se vc pede, está aberto para receber também, e vice-versa. Imagino que alguns aqui estejam se perguntando: Como uma mulher faria sexo anal em mim, e devem estar rindo num tom de deboche bem típico de machos ignorantes, he-he-he. Pois eu digo que o seculo XXI trouxe também uma infinidade de brinquedos eróticos, dos quais se incluem, vários falos de diversos tamanhos e cores variadas. Hoje em dia, qualquer mulher pode se armar com um membro potente do tamanho de sua vontade, hum, e fazer miséria com um pobre , virgem e indefeso cú maculino. Bem, isso já é uma questão pessoal de cada um em sua intimidade, perdoem.

Voltando a questão anal masculina versus século XXI, o pensamento feminino sobre esse assunto é bem claro:

Em primeiro lugar: se eu dou ele também dá, direitos iguais. (justo)

Em segundo lugar: Já está na hora dos homens saberem como é ser penetrado! A teoria é de que essa seja a forma física, direta e mais rápida de um homem compreender as mulheres!

Vamos nos deter sobre a segunda questão, que nos leva a analisar vários pontos importantes sobre a penetração. Essa é uma questão corrente, extremamente atual entre conversas femininas (Nunca dentro de um cabeleireiro, onde vc só encontrará conversas sobre o que acabaram de ler na revista caras, ou seja, sobre quem tem dinheiro, quem engordou, quem fez plástica e quem deu o fora em quem... Extremamente útil para a nossa tão evoluída sociedade... Mas isso também é uma outra história, perdoem).

Segundo o dicionário, penetração significa:
ação ou efeito de penetrar (hum),
facilidade de compreensão,
perspicácia (hum, hum)...

Bom, isso nos diz muita coisa... Vamos nos deter na “compreensão” e “perspicácia” visto que “ação ou efeito de penetrar” já esteja compreendido desde os 15 anos, imagino.

O homem penetra a mulher, a mulher é penetrada. Ela recebe, acolhe um corpo estranho dentro de seu corpo. Agora, como se sabe na medicina, a tendência de todo organismo é expulsar qualquer corpo estranho que lhe invada, ou seja, a penetração pode ser uma invasão! Para que isso não ocorra é preciso o que? Compreensão! Exatamente isso, é preciso compreender o processo, se envolver e, assim, desejar a penetração. Agora, quem penetra, não compreende absolutamente nada, concorda? Vai lá, mete lá e acabou. Invadiu numa boa o corpo da outra sem nem tomar conhecimento do que fez. É uma ignorância! Sem julgamentos, me perdoem.

Por tudo isso que foi falado aqui, é que o século XXI já está sendo apelidado de século anal. É o momento em que todo homem será obrigado a se abrir para a experiência dando, assim, o primeiro passo no caminho da compreensão da alma feminina. A nova ordem é: é preciso ser penetrado para poder penetrar. Já visualizo, num futuro bem próximo, casais se conhecendo, indo para a cama pela primeira vez, os dois com seus exames de HIV atualizados e o homem com seu atestado de penetração anal, incluindo em anexo, uma redação sobre suas impressões do que é ser penetrado para ele. Temos que concordar de que isso facilitaria bastante as coisas!

Bom... Obrigada pela atenção e agora já podem ir. As portas da sala estão abertas, representando as portas do universo feminino que aqui também se abriram. Tenho certeza de que suas mulheres me agradecerão um dia. Boa tarde e um bom século anal a todos.

2 comentários:

Temperamento Inquieto disse...

Jana

Hmm... não sei se concordo com você. Ou melhor, concordo, mas só em termos. Seria genial que os homens dessem um passo à frente e entendessem como é de fato a entrega feminina.

Mas eu, francamente, não tenho nenhum tesão na ideia de comer o rabo de um parceiro. Já experimentei, uma vez que estava namorando um cara que tinha essa fantasia de dar para uma mulher... e como acho que a gente tem de pelo menos tentar acompanhar as fantasias da pessoa com quem estamos, fui lá ver qual era. E o que vi foi que isso realmente não faz a minha cabeça... Achei tão broxante quanto fingir orgasmo.

Mas conheço várias mulheres que curtem.

Beijos,
Deb.

Jana disse...

Esse post é uma brincadeira, tanto que foi colocado na boca de uma "feminista revoltada", eu não levanto essa bandeira. É bem extremo, mas a idéia me fez refletir... Beijo Deb!